Recomendações da Animal Charity Evaluators para 2018

Atualizamos anualmente a lista que recomendamos das nossas melhores instituições de caridade e das que se destacam.
Temos o prazer de anunciar que este ano (pela primeira vez) selecionamos quatro intituições de caridade, ao invés de três. Animal Equality, The Good Food Institute, e The Humane League todas mantiveram o lugar nas melhores como no ano passado, e a Albert Schweitzer Foundation (anteriormente uma –Instituição de Caridade de Destaque) junta-se às melhores.

Anúncios

Comer carne porque plantas também sofrem?

“E quem disse que plantas também não sentem dor?” “Mas também temos que matar plantas para comer.” “Existem estudos provando que plantas também sofrem.” Estes são alguns dos argumentos fracos que as pessoas usam quando se encontram dentro do dilema moral proposto pelos vegetarianos. Curiosamente essa falácia é cometida por pessoas que em muitos outros aspectos da sua…

Vegetarianismo para Comedores de Carne

Brian Kateman em QZ.com escreveu que Precisamos de mais ativistas de direitos animais que sejam comedores de carne. Finalmente, a grande mídia me dá permissão ex-cathedra de dizer coisas um tanto hipócritas! Eu acredito que provavelmente os animais possuem valor moral. Eu também como carne. Há uma tensão evidente entre estas duas posições; animais sofrem e (obviamente)…

A Importância do Sofrimento de Animais Selvagens

Por Brian Tomasik (tradução da versão editada a 24 de Jun. 2014) Tradução por Luís Campos Sumário O número de animais selvagens excede vastamente o de animais em factory farms, em laboratórios ou mantidos como animais de companhia. Assim, os defensores dos animais devem considerar focar os seus esforços no aumento da preocupação em relação…

Faz sentido ser especista e vegano?

Hoje em dia a maioria das pessoas concorda que não é correto infligir dor desnecessária em um animal. Por exemplo, esportes que requerem um tratamento cruel de animais como as touradas e as rinhas de cães ou galos são condenados pela opinião pública. Reconhecemos, portanto, (sem precisar sermos utilitaristas) a dor como um critério primordial…