O “altruísmo eficaz” poderá maximizar o impacto de cada dólar na caridade?

Aqueles que doam a instituições de caridade raramente fazem o tipo de cálculo de custo-benefício que os investidores, por exemplo, considerariam obrigatório. Por isso, as instituições de caridade atraem doações com fotografias de crianças de sorriso desdentado, em vez de registos de cálculos que mostrem como realmente gastam o seu dinheiro. Falar ao coração, no entanto, pouco contribui para dissipar as dúvidas dos economistas cépticos sobre a eficácia da caridade.
No entanto, os avanços na ciência social, particularmente na economia do desenvolvimento, significam que os doadores agora podem ter uma ideia razoavelmente boa daquilo que poderá render cada dólar.

Dois momentos do Altruísmo Eficaz

Imagine que você tem dois filhos. Jorge tem uma doença grave que o faz precisar de tratamento médico frequente. Ana tem uma inteligência acima da média. Você contempla duas opções. Ir para uma cidade que oferecerá uma melhor qualidade de vida para Jorge mas que não tem um sistema de educação capaz de permitir que Ana desenvolva o seu talento, ou ir para onde Ana terá o máximo de assistência para desenvolver suas capacidades ao passo que Jorge não terá boas condições para viver bem.
Diante desse dilema, se você pensa no presente, a melhor escolha é privilegiar Jorge. Se você pensa no futuro, a escolha parece pender para privilegiar Ana. Essa analogia, dentro de suas limitações, ilustra os estágios diferentes do Altruísmo Eficaz que pretendo discutir na sequência.

Relatório sobre a eficácia de protestos

Protestos são uma forma de intervenção frequentemente usada na defesa dos animais. Estimamos que entre 40 e 80 protestos pela defesa dos animais ocorram a cada semana apenas nos EUA. Apesar de sua predominância, o propósito e os efeitos de protestos não são bem compreendidos. Um equívoco comum é pensar que com os protestos se pretende mudar a opinião pública; na verdade, organizadores frequentemente relatam que com os protestos se pretende interromper o atual estado de coisas a fim de estimular mais mudanças sistêmicas.