Temos de acordar: a pecuária industrial cria pandemias

Das 16 estirpes de novos vírus da gripe atualmente identificados pelo Centro de Controle de Doenças como sendo “de preocupação especial”, em 2018, um grupo de cientistas analisou as 39 mudanças antigênicas, que sabemos desempenhar um papel fundamental no surgimento dessas estirpes particularmente perigosas. Os seus resultados provam que “todos, exceto dois desses eventos, foram provenientes de sistemas comerciais de produção de aves”.
[…] Estamos preocupados com a produção de máscaras faciais, mas parecemos despreocupados com as pecuárias industriais que estão a produzir pandemias.

Os dois lados sombrios da COVID-19

Historicamente, tragédias como a atual epidemia da COVID-19, levaram por vezes a mudanças importantes. A provável fonte do novo coronavírus – os chamados wet markets [“mercados molhados”], nos quais os animais vivos são vendidos e abatidos aos olhos dos clientes – deve ser proibida não apenas na China, mas em todo o mundo.

10 anos de progresso para os animais da pecuária

É difícil ser um defensor dos animais da pecuária. A maioria dos problemas do mundo — pobreza, guerra, doença — está diminuindo, mesmo que muito devagar. Mas a pecuária industrial está aumentando: o número de animais que sofrem na pecuária industrial em todo o mundo mais do que duplicou apenas nas últimas duas décadas.
Mas olhe mais de perto: o movimento de defesa dos animais da pecuária alcançou mais progresso na última década do que em todo o século anterior…

Anunciamos as nossas recomendações de instituições de caridade de 2019 [Animal Charity Evaluators]

É com agrado que anunciamos que este ano selecionamos quatro instituições como as Melhores Instituições de Caridade:

A The Albert Schweitzer Foundation, a The Good Food Institute e a The Humane League mantiveram o seu estatuto de melhores instituições do ano passado e — pela primeira vez — a Anima International atinge essa posição!

Empatia diferenciada entre vegetarianos, veganos e onívoros

A decisão de seguir um estilo de vida vegetariano/vegano afeta o nosso processamento cognitivo da empatia? Um estudo de pesquisa neural diz que talvez sim.

Optar por não consumir produtos de origem animal significa não participar de uma indústria que frequentemente explora e abusa de animais. Esta pode ser uma conclusão de “senso comum” para muitos defensores dos animais. No entanto, o que dizer da empatia para com os seres humanos? Será que implementar estilos de vida que demonstrem maior empatia relativamente aos animais também afeta a forma como demonstramos empatia com as outras pessoas?

Não há conflito entre os direitos humanos e os dos animais

Se você se preocupa com os direitos dos animais, inevitavelmente vai se deparar com um monte de perguntas do tipo: e-quanto-a-isso? [Whataboutism] E quanto aos sem-teto [Pt. sem-abrigo]? Ou o racismo? Ou o sexismo? Por que você está perdendo seu tempo com galinhas quando tantos seres humanos estão sofrendo? […] preocupar-se com os animais, dada a angústia vivida por tantas pessoas, pode parecer, na melhor das hipóteses, prioridades equivocadas e, na pior das hipóteses, um insulto insensível às necessidades da comunidade humana.