Governos deveriam agir altruisticamente?

Normalmente falamos de altruísmo para qualificar ações de indivíduos ou organizações. A proposta aqui será de verificar se é possível, desejável, e em quais situações governos deveriam agir de maneira altruísta. O primeiro passo será definir o critério para se julgar uma ação governamental como altruísta. Para tanto, convém começar pelo caso mais aceitável de altruísmo em indivíduos.

Anúncios

O que há de novo no Open Philanthropy Project?

HOLDEN KARNOFSKY fala sobre o Open Philanthropy Project, a priorização de causas, os seus próprios hábitos de trabalho e muito mais. Nesta conversa informal, moderada por Will MacAskill, o Director executivo do Open Phil explica o que pensa sobre uma variedade de tópicos.

Será que a caridade pelos pobres é inútil?

Num artigo publicado no mês passado no The Guardian, 15 economistas – incluindo os premiados com o Nobel Angus Deaton, James Heckman e Joseph Stiglitz – criticaram o que eles chamam de “a moda da «eficácia da ajuda»”, alegando que isso nos leva a ignorar as causas de raiz da pobreza global.

Defendo a avaliação da eficácia da ajuda e o fornecimento de recursos para intervenções que se mostrem altamente custo-eficazes. Para esse fim, fundei a The Life You Can Save, uma organização que reúne evidências sobre quais são as instituições de caridade que proporcionam aos doadores o maior impacto por cada dólar e incentiva as pessoas para que lhes façam donativos.

Como levar os ricos a fazer doações

As pessoas ricas são idiotas egoístas. E os seus filhos também.

Pelo menos essa é a implicação de uma série de estudos psicológicos recentes. Em um estudo de 2015, por exemplo, crianças em idade pré-escolar foram informadas de que haviam ganhado fichas suficientes para obter “um prêmio magnífico”. Podiam guardar as fichas para si ou compartilhar as fichas com crianças de um hospital local que estavam demasiado doentes para ir ao laboratório. As crianças de famílias mais ricas ficaram com mais fichas para si…
Por que será assim?

Os meninos na gruta

A imensa manifestação de preocupação e compaixão demonstrada pela comunidade mundial durante a provação de 18 dias dos 12 meninos e do seu treinador de futebol presos numa caverna inundada na Tailândia foi emocionante e gratificante. Os recursos financeiros utilizados no resgate também foram significativos.

Em simultâneo com essa generosidade pessoal e institucional, porém, está a nossa falha colectiva em salvar aproximadamente 7 500 crianças menores de cinco anos que morrem todos os dias de doenças evitáveis ​​ou tratáveis.