Altruísmo Sem Polêmica: O papel da The Life You Can Save no Altruísmo Eficaz

Ajudar os outros é um bem, e é melhor fazê-lo de modo que a nossa ajuda alcance mais pessoas. Mas para ficarmos no senso comum, é preciso de mais algumas qualificações. Primeiro, essa ajuda busca a evitar o sofrimento daqueles que encontram-se nas piores situações de uma determinada sociedade. Uma segunda qualificação importante para evitar a polêmica é que “pessoas” se refira a “pessoas humanas”. Eis um argumento pelo altruísmo alinhado ao Altruísmo Eficaz (AE), mas recorrendo apenas à moralidade do senso comum, que, eu suponho, a maioria das pessoas aceitaria.
O meu ponto inicial é que esse argumento define a abordagem da The Life You Can Save (TLYCS) dentro do AE.

As Vidas Que Salvamos

Há uma década, escrevi A Vida Que Podemos Salvar: agir agora para pôr fim à pobreza no mundo. Este mês, uma edição totalmente revista comemorativa do décimo aniversário foi publicada e está disponível, gratuitamente, na sua versão digital e áudio. Os capítulos do audiolivro são lidos por celebridades, que incluem Paul Simon, Kristen Bell, Stephen Fry, Natalia Vodianova, Shabana Azmi e Nicholas D’Agosto.

O que faz com que uma instituição de caridade seja eficaz?

Quando damos dinheiro a uma instituição de caridade, assumimos que o dinheiro será usado para fazer o bem. Mas nem sempre é assim. Algumas instituições de caridade conseguem fazer muito pouco; algumas podem até causar danos não intencionais.
O que torna uma instituição de caridade eficaz, como sabemos se é eficaz e como podemos usar essas informações para orientar as nossas doações?

Em defesa de se doar internacionalmente

Felizmente, ajudar é mais fácil do que nunca. Ao fazer doações mesmo em quantidades modestas para instituições de caridade eficazes […] você pode salvar vidas que de outra forma se teriam perdido, e desempenhar um papel no esforço histórico para acabar com a pobreza extrema.
Eis as razões para fazer sentido concentrar internacionalmente a maior parte das suas doações.

Escolher Doar

Para muitos possíveis altruístas, a decisão mais difícil é a de escolher doar sequer.

Os números me transformaram em uma altruísta. Quando descobri que poderia, em vez de gastar minha exorbitante mensalidade da academia de ginástica (eu nem quero dizer quanto custava) para em vez disso curar a cegueira de pessoas, o único pensamento que tive foi: “Por que não fiz isso o tempo todo?” Essa pergunta mudou minha vida para sempre.