As experiências aleatórias de alívio da pobreza serão éticas?

Quando este ano o Prémio Nobel de Ciências Económicas foi atribuído a três pioneiros no uso de estudos aleatórios controlados para combater a pobreza nos países em desenvolvimento, a escolha reanimou questões sobre os aspectos éticos do método. Três questões, em particular, precisam ser abordadas.