A vacina contra a malária de Oxford revela-se altamente eficaz num ensaio no Burkina Faso

Uma vacina contra a malária demonstrou ser altamente eficaz em ensaios em África, oferecendo a possibilidade real de reduzir o número de mortes de uma doença que mata 400 000, na sua maioria crianças pequenas, todos os anos.

A vacina, desenvolvida por cientistas do Instituto Jenner da Universidade de Oxford, mostrou uma eficácia que vai até 77%…

A vacina da malária não é muito eficaz. A tecnologia de RNA poderá mudar isso.

Caso se fosse nomear uma doença infecciosa como sendo “a pior do mundo”, a malária provavelmente seria uma das principais candidatas. Todos os anos, esta mata mais de 400 000 pessoas, a maioria delas são crianças. Houve um progresso significativo na luta contra a malária — antes da pandemia da Covid-19, duas décadas de trabalho de saúde pública reduziram as taxas de mortalidade para metade — mas ainda há um longo caminho a percorrer.

Qual será o caminho para finalmente controlar a situação na luta contra a malária?

Poderemos ver o fim da Malária?

Laureado com um Nobel, Baruch Blumberg, outrora estimou que a malária matou metade das pessoas que existiram até hoje. Só em 2015, matou quase meio milhão de pessoas, 70 por cento das quais eram crianças. Hoje, cerca de 3,2 bilhões [Pt. 3,2 milhares de milhões] de pessoas estão, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, em risco de a contrair, a maioria das quais são crianças e mulheres grávidas.

Será realista esperar que esta doença terrivelmente resiliente acabe em breve?