O Ponto Crucial da História

Os perigos de tratar os riscos de extinção como uma preocupação predominante da humanidade deveriam ser óbvios. Ver os problemas actuais na óptica dos riscos existenciais da nossa espécie pode reduzir esses problemas actuais a quase nada, ao mesmo tempo que se justifica quase tudo o que aumente as nossas probabilidades de sobreviver o tempo suficiente para nos propagarmos muito para lá da Terra.

Conselhos para jovens idealistas: Encontrar uma causa sozinha

Como jornalista que não está muito afastado da sua juventude desperdiçada, recebo um número razoável de e-mails de leitores que, ou estão na faculdade ou são recém-formados, a pedirem conselhos sobre o que fazer com o resto das suas vidas. […] O mundo tem tantos problemas: pobreza e fome crónicas, tortura e abate em massa de animais, desastres climáticos contínuos e agravados, o surgimento de armas e doenças que podem acabar com a vida tal como a conhecemos. Caso se queira apenas fazer algo de bom, como devemos escolher?

Altruísmo entusiasmado

Os críticos do altruísmo eficaz preocupam-se que estejamos a tentar escolher causas com base em cálculos sobre como ajudar o mundo tanto quanto possível, em vez de nos basearmos nas causas que nos entusiasmam. Preocupam-se que não estejamos, portanto, totalmente envolvidos ou comprometidos com as causas que escolhemos.
Penso que, essencialmente, essas pessoas entendem mal o altruísmo eficaz.

Mortalidade Infantil: uma tragédia diária de enormes proporções face à qual podemos fazer progressos

Imagine o que significa para uma criança perder a sua vida; imagine o que significa para uma família ver o seu filho morrer. Dez famílias irão sentir isso no próximo minuto. Isso irá repetir-se a cada minuto durante o resto do ano. É esse o horror da mortalidade infantil. […]
O facto de a desigualdade económica mapear a desigualdade da sobrevivência infantil significa que uma criança num país rico tem uma vantagem de duas maneiras: pode ter a expectativa de sobreviver e irá viver numa sociedade onde os rendimentos são mais de 70 vezes acima do que os rendimentos dos países mais pobres.