Ajudar como uma obrigação e/ou como uma oportunidade? (3 de 3)

Num primeiro momento vimos alguns conceitos que permeiam a noção moral de obrigação. Em seguida, tratamos da noção de oportunidade. A motivação desses ensaios foi a questão ainda não definida no altruísmo eficaz acerca de como devemos abordá-lo: Seria o altruísmo uma obrigação ou uma oportunidade? Como vimos, ambas as abordagens se encaixam nas práticas dos participantes do movimento. Talvez por isso a maioria declare adotar as duas. No entanto, esse tipo de ecletismo não resolve a questão. Pelo contrário, ele abre mais questões já que a partir disso faz-se necessário definir quais pontos das duas abordagens serão adotados e como eles se relacionarão.

Ajudar como uma obrigação e/ou como uma oportunidade? (2 de 3)

No altruísmo eficaz há uma certa questão em aberto se o altruísmo deve ser visto como uma obrigação ou uma oportunidade. Na primeira postagem discutimos alguns conceitos centrais à noção de obrigação e começamos a pensá-los a partir da posição do altruísmo eficaz. Agora é a vez de fazer o mesmo para a oportunidade. A terceira etapa será uma conclusão a partir das lições extraídas da reflexão anterior.

Cansados demais para fazer a coisa certa

A divisão do dia em três intervalos de 8 horas é arbitrária. Sua motivação é apenas a de dividir 24 horas em três partes iguais. Desta divisão, mais do que de qualquer evidência, surgem padrões comportamentais como a jornada de 8 horas de trabalho e a necessidade de dormir 8 horas por dia. No ideal…