Fundamentos para considerar a Inteligência Artificial (IA) como uma ameaça séria à humanidade (parte 2 de 2)

Stephen Hawking disse: “O desenvolvimento da inteligência artificial completa poderá significar o fim da espécie humana”. Elon Musk afirma que a IA é a maior ameaça existencial à humanidade.

Isso pode fazer com que as pessoas se perguntem: espere aí, como? Mas essas grandes preocupações estão enraizadas na pesquisa.

Fundamentos para considerar a Inteligência Artificial (IA) como uma ameaça séria à humanidade (parte 1 de 2)

Stephen Hawking disse: “O desenvolvimento da inteligência artificial completa poderá significar o fim da espécie humana”. Elon Musk afirma que a IA é a maior ameaça existencial à humanidade.

Isso pode fazer com que as pessoas se perguntem: espere aí, como? Mas essas grandes preocupações estão enraizadas na pesquisa.

O mundo está muito melhor; o mundo é horrível; o mundo pode ser muito melhor

O mundo está muito melhor. O mundo é horrível. O mundo pode ser muito melhor. Todas as três afirmações são verdadeiras.

Aqui, concentro-me na mortalidade infantil, mas o mesmo pode ser dito a propósito de muitos aspectos do desenvolvimento global. Há muitos aspectos do desenvolvimento para os quais é verdade que as coisas melhoraram ao longo dos tempos, para os quais elas ainda são terríveis, e para os quais sabemos que as coisas podem melhorar.

Ninguém é uma estatística

Cheguei tarde a essa discussão, mas tenho pensado no documentário “The Life Equation”, sobre como as pessoas usam dados para tomar decisões de vida ou morte. O exemplo central é o de uma mulher chamada Crecencia, mãe de sete filhos que vive na zona rural da Guatemala e tem câncer do colo do útero. O médico que a trata sabe que exames para diagnosticar o câncer em outras mulheres são mais custo-eficazes do que tratá-la, e que a comunidade não tem dinheiro suficiente para financiar completamente ambas as alternativas.

Saúde global: expansão ou desolação?

Guerra, doença, fome, morte… as notícias estão cheias de histórias de horror e é fácil pensar que o mundo está a ruir ao nosso redor.

Mas a verdade é muito diferente. Enquanto os jornalistas se concentram, e com razão, nos vários eventos e nos riscos terríveis que enfrentamos, o quadro geral em termos de saúde e segurança humanas é de constante e, muitas vezes, dramática melhoria.