Altruísmo eficaz significa inclusão eficaz

“Você está ganhando dinheiro para doar?”

Esta é, invariavelmente, uma das primeiras perguntas que me fazem quando encontro novas pessoas em reuniões do Altruísmo Eficaz, e isso sempre me faz sentir culpada.

“Não”, eu explico “Estou fazendo treinamento em Terapia da Fala. Irei trabalhar em educação ou no Serviço Nacional de Saúde. Nunca irei ganhar enormes somas de dinheiro.”

A resposta que recebo tem sido mista. Embora muitas vezes receba uma resposta calorosa (e por vezes rende uma boa conversa sobre linguística), tive casos de pessoas que sugerem maneiras de como eu poderia mudar de carreira, ou me senti frustrada pela afirmação um tanto paternalista “que bom para você”.

Ganhar para dar – escolher uma carreira muito bem paga a fim de doar grandes valores para instituições de caridade eficazes – é muitas vezes apresentado como a última palavra em Altruísmo Eficaz. Basta olhar para a Fundação Bill e Melinda Gates e seu trabalho surpreendente em prol da erradicação da malária para perceber como seguir uma carreira muito lucrativa, explorar cuidadosamente as melhores opções para doar, e, em seguida, dar prosseguimento a isso com grande compaixão e generosidade, pode produzir resultados surpreendentes.

Muitos altruístas eficazes têm formação nas áreas da tecnologia ou finanças, ou pretendem enveredar por esses campos. Muitas organizações do Altruísmo Eficaz têm procurado destacar que ser capaz de doar grandes quantidades de seu salário é potencialmente muito mais eficaz do que ter um tradicional emprego “altruísta” (e substancialmente menos lucrativo) no setor de caridade ou de ajuda internacional. De fato, a 80.000 hours dispõe de um guia de carreira com foco nas melhores carreiras para o altruísmo e eu gostaria de exortar qualquer jovem que queira fazer a diferença – mas que não tenha certeza sobre qual carreira seguir – para usar isso como um recurso.

231011361_4a4a257a60_o

“…o Altruísmo Eficaz precisa encorajar e representar todo aquele que crê nos seus valores.” (imagem: Flickr)

 

Em geral, ganhar para dar é uma ótima idéia, mas – e isto é realmente um grande mas – é inviável para a grande maioria das pessoas. Digamos que eu decida que quero ganhar para dar, e percebo que Terapia da Fala simplesmente não vai dar para tal. Posso talvez recomeçar os estudos em finanças, tecnologia ou medicina? Eu já tenho a minha graduação, e não há possibilidade de dar-me ao luxo de fazer uma segunda graduação sem pedir um empréstimo de estudante. Mesmo que tivesse dezoito anos novamente, simplesmente não me parece que teria sucesso em muitas desses empregos bem pagos. Eu não obtive notas suficientemente boas em matemática ou ciências, e não tenho cabeça para os negócios. Pior, arriscaria a não sentir coisa alguma pela carreira pela qual estava tentando mostrar alguma paixão, batalhando hora após hora (80 000, para ser mais precisa) de trabalho que considero desinteressante e sem qualquer inspiração. Parece-me que alguém que trabalhe a toda a hora, nunca vendo sua família em um emprego que odeia, é provável que se torne cínico muito rapidamente acerca da sua decisão de ganhar para dar.

Obviamente, não será assim para todos – tenho certeza de que os gestores de fundos de investimento amam seu trabalho e eu aplaudo a enorme diferença que qualquer um que esteja ganhando para dar esteja fazendo – mas acho que o Altruísmo Eficaz, como um movimento, deve ter cuidado ao considerar as necessidades e pontos fortes das pessoas comuns a fim de crescer e incentivar a doação em grande escala.

Muitas pessoas são extremamente apáticas sobre a doação de dinheiro para a caridade. O que muito contribui para isso é a analogia da “gota no oceano”; segundo a qual a pobreza é um problema tão grande e intransponível que uma pessoa comum tentando fazer algo sobre isso está desperdiçando seu tempo. O Altruísmo eficaz nos mostra que isso não é verdade; a doação eficaz salva vidas, erradica doenças e tem o potencial de acabar com a pobreza global.

Minha preocupação é que as pessoas vão se sentir isoladas pela ideia de que ser um altruísta eficaz significa possuir uma renda alta, e que vejam as contribuições vitais que podem fazer como apenas mais uma gota no oceano.

Sim, devemos incentivar as pessoas a ganhar para dar – ou simplesmente para ganhar mais para que elas tenham mais para doar – mas também devemos destacar as realizações de alguém que se comprometeu a doar, independentemente da quantidade.

… você pode ter um impacto significativo seja qual for a quantia que pode dar.

Recentemente assisti a uma palestra dada por Alan Fenwick, diretor da Schistosomiasis Control Initiative [Iniciativa de Controle da Esquistossomose] (que, aliás, foi criada com o dinheiro da Fundação de Bill e Melinda Gates). Como uma das instituições de caridade mais eficazes do mundo, a SCI tem por objetivo evitar que, literalmente, milhões de pessoas sofram com doenças que causam desnutrição, deficiências de crescimento e cognitivas, um aumento na prevalência de HIV e, finalmente, a morte precoce.

Quanto custaria para prestar este apoio a todos que precisam dele? Cerca de 50 pence esterlinos por pessoa por ano. [R$ 2,79]*

Em sua palestra, o Prof. Fenwick afirmou que essa instituição de caridade tinha cerca de 2 000 doadores de pequena escala, regularmente doando de 5 a 100 libras por mês, e cerca de 5 doadores que tinham feito doações em grande escala. Acho que vale a pena considerar que 2000 pessoas doando 10 libras por mês contribuem 240 000 libras a cada 12 meses, tratando cerca de 720 mil pessoas em risco de vida por ano.

Além disso, pequenos doadores comprometidos têm poder significativo; uma instituição de caridade que pode mostrar um financiamento confiável e consistente e um apoio individual impressionante é mais capaz de convencer grandes doadores, fundos fiduciários e fundações, de que são uma instituição merecedora de suporte.

Recentemente tem havido um crescente debate sobre como promover a inclusão e envolver mais mulheres e pessoas de minorias étnicas no âmbito do Altruísmo Eficaz. Estes grupos “mais difíceis de alcançar” também são propensos a ganhar menos durante sua carreira do que os homens brancos correspondentes. Embora esta seja uma causa separada a ser combatida, é uma disparidade que devemos reconhecer e deve refletir-se em materiais que incentivam e dão valor à doação de todos os segmentos da sociedade.

Em suma, o Altruísmo Eficaz precisa encorajar e representar todo aquele que crê nos seus valores; você pode ter um impacto significativo seja qual for a quantia que pode dar.

Como o título do livro mais recente de Peter Singer aponta, o intuito é fazer “o maior bem que você pode fazer”. A meu ver, o melhor que posso fazer é assumir o compromisso de dedicar parte do meu (relativamente modesto) futuro salário, considerar criticamente minhas ações e continuar a dedicar-me ao Altruísmo Eficaz através da escrita, do voluntariado e nas relações pessoais.

Seja crítico de suas escolhas, mas não fique preso na culpa: vá em frente e faça a diferença, fazendo o melhor que você pode.

* Cotação de 10/02/2016 (N. do T.)
.

 coralie_oddy– Coralie Oddy

Coralie está em treinamento como Terapeuta da Fala. Ela é nova no altruísmo eficaz. Está otimista quanto a ter um impacto com um orçamento de estudante e quer que outros saibam que podem fazer uma diferença também.
.
.
.
.


Texto publicado originalmente no blogue da Giving What We Can (em 21 de maio de 2015).

Tradução Ronaldo Batista e revisão de José Oliveira

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s