Quantas vidas é que vale Notre Dame?

Peter Singer e Michael Plant (Project Syndicate)

NotreDame(19)

Quantas vidas é que vale Notre Dame? (Arte digital: José Oliveira | Fotografias: Pixabay)

Pouco mais de 24 horas após o incêndio que danificou seriamente a Notre-Dame de Paris, as doações para a reconstrução da catedral de 850 anos ultrapassaram 1 bilhão de euros (1,1 bilhão de dólares) [Pt. mil milhões de euros]. A maior parte deste dinheiro vem de algumas das pessoas mais ricas da França. A Untec, o sindicato nacional que representa os economistas da construção na França, indicou que o custo da reconstrução deve ficar entre 300 e 600 milhões de euros, muito menos do que o valor angariado.

Os manifestantes gilets jaunes (coletes amarelos) já levantaram a questão óbvia: “E os pobres?” Se os ricos podem dar facilmente centenas de milhões para restaurar um edifício, poderiam facilmente ter gasto esse dinheiro em outros lugares e de maneiras melhores. Poderiam ter gasto 1 bilhão de euros [Pt. mil milhões de euros] para salvar vidas. Então, enfrentemos esta questão embaraçosa: quantas vidas vale o restauro da Notre Dame?

Muitos dirão que tal comparação é impossível. Mas se nenhuma comparação puder ser feita, então não podemos saber qual é a melhor coisa que se pode fazer. Se a resposta que propomos parecer simplista, poderá pelo menos servir como um ponto de partida para o desenvolvimento de uma melhor.

Uma razão óbvia para restaurar a catedral é o prazer que proporciona, enquanto monumento estético e cultural, aos 12 milhões de pessoas que a visitam a cada ano. Digamos que cada visita dure em média três horas. Arredondando temos 4.500 anos de experiência de visitantes por ano. Sem dúvida, os visitantes da Notre Dame passam algum tempo relembrando com prazer a viagem, por isso vamos dobrar o valor e dizer que a Notre Dame produz 9.000 anos de benefícios em visitas a cada ano.

Quantas vidas é que isso vale? Vamos supor que a experiência de se visitar ou relembrar a Notre Dame faça com que as pessoas sejam duas vezes mais felizes do que seriam durante esse período, o que significa, na verdade, que cada hora extra passada em Notre Dame ou relembrando a visita, é tão bom quanto aumentar a vida de alguém em uma hora. Suponha que estamos salvando vidas de pessoas que viveriam mais 60 anos, os 9.000 anos de benefício anual seria assim o equivalente a salvar 150 vidas por ano.

Esse é um número significativo de vidas, mas agora precisamos perguntar quantas vidas 1 bilhão de euros [Pt. mil milhões de euros] poderia salvar. Quaisquer que sejam as reivindicações dos coletes amarelos, é óbvio que poderíamos salvar mais vidas e reduzir mais dificuldades econômicas, ajudando pessoas em pobreza extrema nos países de rendimentos baixos do que gastando este dinheiro na França.

A GiveWell, amplamente considerada como a avaliadora de instituições de caridade mais rigorosa do mundo, indicou recentemente que a Against Malaria Foundation, uma de suas principais instituições de caridade, que distribui mosquiteiros em países de rendimentos baixos, onde a malária é uma das principais causas da mortalidade infantil, consegue salvar uma vida por cerca de 3.500 euros. Usando os números da GiveWell, 1 bilhão de euros [Pt. mil milhões de euros] poderia evitar cerca de 285.000 mortes prematuras. Isso é muito mais do que 150.

Os defensores da Notre Dame podem pensar que isso subestima o valor do restauro, que beneficiará os visitantes ao longo de séculos, enquanto o dinheiro gasto salvando vidas afeta somente esta geração. Para contar com isso, vamos supor que, se a Notre Dame for restaurada, durará mais 850 anos – ou seja, tanto tempo quanto existiu até agora – antes de precisar de outro restauro em larga escala. Assumindo, apenas para formulação do argumento, que nos preocupamos tanto com as vidas futuras quanto com as vidas atuais, então a soma seria equivalente a salvar pouco menos de 130.000 vidas. Desse modo, doar para uma organização eficaz, ajudando pessoas em países de baixos rendimentos a evitar a malária, acaba por fazer mais que o dobro do bem obtido com o restauro da Notre Dame.

Mesmo isso provavelmente sobrestima o valor de uma Notre Dame restaurada, pois seria necessário considerar o que aconteceria se decidíssemos não fazer o seu restauro. Nesse caso, o que fariam os turistas em vez disso?

Provavelmente, os visitantes de Paris iriam procurar algumas das muitas outras atrações, como a Basílica de Sacré-Coeur em Montmartre, que teve dez milhões de visitantes em 2017, ou o museu do Louvre, que teve oito milhões. Ou iriam a outro lugar e visitariam outros monumentos – talvez a Torre de Londres ou o Taj Mahal. Provavelmente, também desfrutariam de suas visitas a esses lugares – não tanto, mas quase. O valor de visitar a Notre Dame deve ser entendido como a felicidade extra que a Notre Dame traz, isto em relação à segunda melhor opção em que os visitantes podem ocupar o seu tempo. Dado que já vivemos em um mundo de maravilhas, isso parece insignificante. Quando contamos com isso, o verdadeiro benefício da Notre Dame talvez não seja mais do que 10% do que supúnhamos – valendo 13.000 vidas se usarmos o período de 850 anos, ou seja menos do que uma vigésima parte do bem conseguido por uma das melhores intuições de caridade a salvar vidas.

As icônicas torres de Notre Dame ainda estão de pé, assim como muito mais do edifício de pedra. Suponha que a catedral fosse deixada em ruínas, porque aqueles que ofereceram milhões coletivamente mudavam de ideias e decidiam dar o dinheiro aos que vivem na pobreza. Nesse caso, Notre Dame iria fazer parte dos muitos monumentos em ruínas que atraem turistas, do Partenon ao Fórum Romano e ao Angkor Wat. Mas também seria mais do que apenas uma ruína antiga: serviria como uma lembrança visível de que os franceses decidiram gastar o seu dinheiro não para restaurar um edifício, mas para melhorar a vida das pessoas.


Escrito por Peter Singer e Michael Plant, publicado originalmente no Project Syndicate, em 9 de maio de 2019.

Traduzido por Thiago Tamosauskas. Revisão José Oliveira.

Botao-assineBoletim

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s