Anúncio do lançamento do Happier Lives Institute

Por Michael Plant (EA Forum)

pessoas_mais_felizes

Como fazer as pessoas mais felizes? (Arte digital: José Oliveira | Fotografias: Pixabay)

Após meses de trabalho por parte de uma equipe de voluntários dedicada, tenho o prazer de anunciar o lançamento do Happier Lives Institute [Instituto Vidas Mais Felizes], uma nova organização de Altruísmo Eficaz que procura responder à pergunta: “Quais são as maneiras mais eficazes de usar os nossos recursos para fazer as outras pessoas mais felizes?”

Resumo

O Happier Lives Institute é pioneiro ao apresentar uma nova maneira de pensar sobre a questão central do altruísmo eficaz — como podemos beneficiar os outros o máximo possível? Estamos abordando isso através da “lente da felicidade”, usando os relatos individuais de bem-estar subjetivo para medir o benefício. A adoção dessa abordagem indica novas prioridades potenciais, nomeadamente o surgimento da saúde mental como um problema vasto e negligenciado.

A nossa visão é um mundo onde todos vivam a sua vida mais feliz.

A nossa missão é orientar a tomada de decisões daqueles que querem usar seus recursos para tornar as vidas mais felizes do modo mais eficaz.

O nosso objetivo é cumprir a nossa missão do seguinte modo:

  1. Buscando as oportunidades de doação mais eficazes no mundo para melhorar a felicidade. Estamos a começar por investigar intervenções de saúde mental em países de baixos rendimentos.
  2. Avaliando quais são as carreiras que permitem que os indivíduos tenham o maior impacto contrafatual em termos de promover vidas mais felizes.

A nossa abordagem

O nosso trabalho é movido por três convicções.

1) Devemos fazer o maior bem que pudermos

Devemos usar provas e a razão para determinar como podemos usar os nossos recursos para beneficiar mais os outros. Seguimos os princípios orientadores do altruísmo eficaz: dedicação aos outros, mentalidade científica, abertura, integridade e espírito colaborativo.

2) Felicidade é o que, em última análise, mais importa.

Os filósofos usam a palavra “bem-estar” para se referir ao que é, em última análise, bom para alguém. Acreditamos que o bem-estar consiste na felicidade, definida como um equilíbrio positivo entre o prazer e o sofrimento. Entendido dessa maneira, isso significa que, quando reduzimos a infelicidade, aumentamos a felicidade. Além disso, acreditamos que o bem-estar é a única coisa que é intrinsecamente boa, isto é, que importa por si mesma. Outros bens, como riqueza, saúde, justiça e igualdade, são instrumentalmente valiosos: não são valiosos em si mesmos, mas sim na medida em que aumentem a felicidade.

3) A felicidade pode ser medida

As últimas décadas testemunharam uma explosão de pesquisas sobre o “bem-estar subjetivo” (BES), com cerca de 170.000 livros e artigos publicados nos últimos 15 anos. O BES é medido usando auto-relatos dos estados emocionais das pessoas e avaliações globais da satisfação com a vida; essas medidas demonstraram ser válidas e confiáveis. Acreditamos que os resultados do BES são a melhor medida de felicidade disponível; portanto, devemos usar esses resultados, em vez de qualquer outra coisa (rendimento, saúde, educação, etc.) para determinar o que faz com que as pessoas sejam mais felizes.

Especificamente, esperamos basear-nos na satisfação com a vida como a métrica principal. Isso normalmente é medido perguntando “Em geral, qual é o grau de satisfação com a sua vida hoje em dia?” (0 a 10). Apesar de pensarmos que as medidas dos estados emocionais estão mais próximas de uma medida ideal de felicidade, estão disponíveis muito poucos dados desse tipo. Uma explicação mais longa da nossa abordagem para medir a felicidade pode ser encontrada aqui.

Quando reunimos essas três convicções, a pergunta: “Como podemos fazer o maior bem?” torna-se, mais especificamente: “Quais são as formas mais custo-eficazes para aumentar o bem-estar subjetivo auto-relatado?”

A nossa estratégia

Cientistas sociais reuniram um manancial de dados sobre as causas e conexões da felicidade. Embora agora haja esforços crescentes para determinar a melhor forma de aumentar a felicidade por meio de políticas públicas, nenhuma organização do AE tentou, até agora, traduzir essas informações em recomendações sobre quais são as formas mais eficazes para os agentes privados tornarem as vidas mais felizes. O Happier Lives Institute pretende preencher essa lacuna.

Ao fazer isso, esperamos complementar o trabalho rigoroso e inovador realizado pela GiveWell e a 80.000 Hours e colaborar com eles sempre que possível. Para destacar as diferenças, a nossa abordagem sob a “lente da felicidade” é uma abordagem diferente de avaliar o impacto, comparando com o que a GiveWell faz; a GiveWell não se concentra em saúde mental; o nosso objetivo é investigar oportunidades de doação mais especulativas e as que estejam fora da saúde e desenvolvimento globais. A 80.000 Hours concentra-se principalmente no longo-termo; pretendemos fornecer orientação àqueles cujas carreiras se concentrarão na maximização do bem-estar (humano) a curto-termo.

Trabalho em curso

O nosso trabalho é dividido em duas correntes.

  1. Um grupo de pesquisa está investigando as oportunidades de doação mais promissoras entre as intervenções de saúde mental em países de baixos e médios rendimentos. Desenvolvemos uma ferramenta de triagem para avaliar uma lista de quase 200 intervenções indicadas no site da Mental Health Innovation Network [Rede de Inovação em Saúde Mental]. Os oito membros de nossa equipe de triagem fornecem classificações individuais, que depois verificamos quanto à confiabilidade entre avaliadores. Depois de percorrermos a lista, criaremos modelos de custo-eficácia para as intervenções mais promissoras.
  2. Indivíduos que buscam projetos retirados de nossa agenda de pesquisa. Os projetos atuais são sobre educação positiva (Jide Alaga), carreiras (Teis Rasmussen), intervenções de felicidade pessoal (Stephan Tegtmeier) e sobre a natureza e a medição da felicidade (Michael Plant). Mais informações sobre projetos individuais podem ser encontradas na página da Nossa Equipe.

Planos futuros

A nossa agenda de pesquisa consiste em três seções:

  • Áreas de causas: explica como as nossas seis principais áreas de causa (saúde mental, dor, educação positiva, mudança social, reforma das políticas de medicamentos, pesquisa) foram identificadas e apresenta questões específicas relacionadas a cada uma delas.
  • Questões de pesquisa mais gerais: apresenta outras questões de pesquisa relevantes que não estejam especificamente relacionadas a uma das seis áreas de causas.
  • No sentido das recomendações práticas: identifica questões de pesquisa que pareçam particularmente relevantes para determinar o que os altruístas eficazes devem fazer neste momento. Isso é baseado em nosso entendimento atual e, naturalmente, está sujeito a mudanças, dependendo das percepções formadas ao responder às perguntas de pesquisa mencionadas nas seções anteriores.

A agenda de pesquisa está aberta e é bem-vindo quem queira abordar tópicos e investigá-los. Se você gostaria de trabalhar em um deles, envie um e-mail para hello@happierlivesinstitute.org para que possamos fornecer assistência e evitar duplicações desnecessárias de trabalho.

Participe

O que você pode fazer se quiser contribuir para a nossa missão?

Os livros e artigos em nossa lista de leitura ajudarão a aprofundar sua compreensão sobre o que é a felicidade, como medi-la, o que a afeta e o que pode ser feito para melhorá-la.

Não concluímos pesquisas suficientes para fazer recomendações confiáveis sobre as intervenções mais eficazes para melhorar a felicidade. No entanto, identificamos algumas organizações promissoras que acreditamos que estão fazendo um trabalho valioso. Se estiver procurando oportunidades de doação de alto impacto para aumentar a felicidade mundial, então este é o melhor lugar para começar.

À medida que a nossa pesquisa se desenvolver, pretendemos publicar perfis de carreiras detalhados para orientar as pessoas que desejem dedicar suas carreiras a maximizar a felicidade dos outros. Enquanto isso, listamos algumas ideias iniciais que achamos promissoras. Se estiver interessado em fazer voluntariado conosco, poderá encontrar mais informações aqui.

Siga o nosso trabalho

Se gostaria de se manter informado sobre o nosso trabalho, por favor, assine a nossa newsletter mensal e siga-nos no Facebook, Twitter e LinkedIn.

Também iremos contribuir regularmente para o grupo de Effective Altruism, Mental Health, and Happiness no Facebook, que tem mais de 1.000 membros.

Sugestões

Valorizamos muito as suas sugestões, particularmente nesta fase inicial de nosso desenvolvimento organizacional. Por favor, coloque suas dúvidas e comentários abaixo ou nos envie um e-mail diretamente para hello@happierlivesinstitute.org. Esperamos publicar uma página de Perguntas Frequentes em nosso site nas próximas semanas para abordar quaisquer assuntos que gerem confusão ou objeções ao nosso trabalho.


Publicado originalmente por Michael Plant no EA Forum, em junho de 2019.

Tradução de Thiago Tamosauskas. Revisão José Oliveira.

 

Assine o Boletim Mensal

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s